Enem Digital começa a ser aplicado em 2020

O Ministério da Educação (MEC) informou que a partir de 2020 a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será realizada por 50 mil candidatos na versão digital. A mudança faz parte de um projeto que deverá ser concluído em 2026, quando 100% das provas serão online.

Segundo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o objetivo é modernizar o processo seletivo, além de torná-lo mais ágil e econômico. Durante entrevista, em Brasília (DF), ele informou que 2020 não se trata de um teste, mas de uma aplicação-piloto, em que a avaliação das questões objetivas e a redação será online. Os 50 mil candidatos que farão o novo modelo correspondem a 1% da população do Enem.

“Há 100 anos, o Brasil faz exames de seleção da mesma forma, no papel. O que a gente quer é seguir o mesmo padrão que é feito lá fora (em outros países). A pessoa vai até o computador, se identifica, é feita toda a certificação, com segurança, faz a prova, e recebe todos os comprovantes para ter tranquilidade de que não terá nenhuma troca, fraude, etc. E com isso ganha-se muito mais agilidade, perspectiva para o futuro e adaptação”, disse.

Na prática, no momento de fazer a inscrição do Enem 2020, o candidato vai escolher se quer fazer a prova impressa ou a digital, sendo que o limite é de 50 mil vagas para o online nesse primeiro ano. O MEC não informou o que acontecerá se o número de estudantes que optarem pelo novo modelo for inferior ao estabelecido como meta.

Quem quiser participar da aplicação-piloto terá que correr um pouco mais com os estudos. Isso porque as provas digitais serão realizadas em outubro, enquanto a impressa continuará sendo feita em novembro. Em caso de problemas logísticos ou de infraestrutura, o candidato terá direito à reaplicação da avaliação, em papel, em dezembro. Cada uma das três provas terá questões diferentes e o investimento inicial é de R$ 20 milhões.

A prova digital será realizada em Salvador e outras 14 capitais: Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

O objetivo do MEC é realizar até quatro aplicações de provas digitais por ano. Em 2021, serão realizadas duas versões, em datas distintas, agendadas previamente, e também opcionais. Em 2026, a versão em papel para de ser distribuída e o exame só será em formato online.

Aplicação
O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, afirmou que o MEC não vai comprar os computadores que serão usados nas provas. A ideia é aproveitar os equipamentos disponíveis nas escolas e alugar outros espaços, uma decisão que será tomada pelo consórcio responsável pela aplicação da avaliação e que ainda será definido pelo governo.   

A gente fornece as informações da base instalada de computadores nas escolas e o aplicador pode alugar ou buscar outras salas. Por ser progressiva (a mudança para o online) a gente entende que as escolas, com o tempo, vão começar a se adaptar a aplicação de provas digitais. Isso já acontece em algumas delas, em que pessoas fazem as avaliações em tablets e notebooks, e a tendência é que isso se dissemine por todo o ensino”, afirmou.

Enem 2019

Segundo o MEC, em 2019, mais de 10,2 milhões de provas serão impressas para o Enem. Os custos da aplicação superam R$ 500 milhões para os mais de 5 milhões de participantes confirmados nesta edição.

Lopes afirmou que o digital vai possibilitar a avaliação também dos diversos itinerários previstos com a reforma do ensino médio. Não está descartada a possibilidade de novos locais para aplicar o Enem, inclusive aumentando o número de municípios.

“Quando a gente pensa em fazer uma prova impressa, procura salas com cadeiras com braço. Quando vai para o mundo digital, muda. Não precisa, necessariamente, ficar procurando escola, pode usar outras instituições que tenham disponibilizadas salas com infraestrutura de informática”, disse Lopes.

Em localidades mais distantes com restrições no acesso à internet o MEC informou que serão adotadas soluções especificas, mas não detalhou. A expectativa do Inep é de que o Enem Digital seja um incentivo para ampliar o número de computadores conectados nas redes de ensino de todo País. E consequentemente, aumentar o total de inscritos no exame.

Segurança
Em relação a segurança do novo modelo, tanto o ministro Weintraub como o presidente do Inep afirmaram que os estudantes não têm com o que se preocupar. Lopes lembrou que bandidos já tentaram burlar o Enem antes, e que o MEC tem um termo de cooperação assinado com a Polícia Federal para identificar quadrilhas que tentam fraudar o exame. Já o ministro foi taxativo.

“Evidentemente, a gente sempre tem que ficar atento porque bandido é criativo, ele vive pensando nisso, mas, hoje, a segurança e tecnologia que o Brasil tem permite tranquilamente fazer o Enem digital. Além disso, é só essa última etapa da aplicação que é analógica, todo o restante já é digital”, afirmou.

Enem 2019 segue sem alterações
As mudanças anunciadas pelo Ministério da Educação para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020 não alteram em nada a edição 2019. Em outubro, os participantes terão acesso ao cartão de confirmação, com os locais da avaliação, e nos dias 3 e 10 de novembro serão aplicadas as provas.

No primeiro dia serão testados os conhecimentos dos candidatos em Linguagens, Códigos e suas Tecnologias / Redação / Ciências Humanas e suas Tecnologias. No segundo dia, será a vez de Ciências da Natureza e suas Tecnologias / Matemática e suas Tecnologias. A publicação dos gabaritos e dos cadernos de questões acontecerá no dia 13 de novembro e os resultados individuais em janeiro de 2020, em data ainda a confirmar.

O exame avalia o desempenho do estudante e permite o acesso à educação superior, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), Programa Universidade para Todos (ProUni) e instituições portuguesas. Ele também possibilita o financiamento e apoio estudantil, por meio do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), além de autoavaliação e desenvolvimento de estudos e indicadores educacionais.

O exame é aplicado em dois domingos e tem quatro provas objetivas, com 180 questões, além de uma redação. Somadas as 21 edições já realizadas, o Enem recebeu quase 100 milhões de inscrições.

Confira o cronograma

Outubro – Divulgação do cartão de confirmação com o local de prova;

  • 3 de novembro – Prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias / Redação / Ciências Humanas e suas Tecnologias;
  • 10 de novembro – Prova de Ciências da Natureza e suas Tecnologias / Matemática e suas Tecnologias;
  • 13 de novembro – Publicação dos gabaritos e dos cadernos de questões;
  • Janeiro de 2020 – Resultados individuais;

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *